Arquivo: julho 2013

29.07.2013

O poder do hábito

book-coverRecentemente li um livro chamado The Power of Habit, do jornalista Charles Duhigg. Vale muito a pena para entendermos como automatizamos comportamentos ao longo da nossa vida.

Elegi 10  itens que podem ajudar na mudança de hábitos que atrapalhem a nossa vida e quero compartilhar com vocês.

Como mudar?

1. Pense em recompensas saudáveis: se eu me exercitar hoje, vou ficar saudável, me sentir melhor, não ter culpa, entrar em um ciclo virtuoso de boas escolhas.

Isso vai fazer você identificar que vale à  pena memorizar um novo ciclo de repetição e sair do modo automatizado de fazer as coisas (que nada mais é do que agirmos sem pensar no porque estamos  fazendo).

2. Procure ter um olhar diferente do porque as coisas não saíram conforme você esperava. Analise novas hipóteses.

3. Exercite o autoconhecimento. Procure entender o seu comportamento diante das mais variadas situações. Exemplo: o que leva você a ter um anseio obsessivo (aquela sensação de que preciso fazer aquilo).

4. Identifique o gatilho do hábito, ou seja, o estímulo que ordena o cérebro a entrar em modo automático e realizar determinada ação. Sempre que eu tomo um cafezinho, tenho vontade de fumar ou quando estou na frente da televisão vendo novela, acabo comendo mais doce.

5. Mantenha o foco nos hábitos que você deseja mudar.

6. Faça um planejamento inteligente. Comece a se exercitar em um horário que seja adequado a sua agenda, para evitar desmarcações; se decidiu parar de fumar, afaste-se dos ambientes que possam aumentar a tentação.

7. Estabeleça um desafio por vez.

8. Saiba que a disciplina é uma aliada da mudança.

9. Celebre cada pequena vitória

10. Esteja ciente que haverá recaídas

Com determinação, informação, conscientização e uma pitada de força de vontade, é possível mudar qualquer hábito.

Viva uma nova vida!

CL

25.07.2013

Pare, respire e, só então, coma!

frutas 2

A sessão de frutas de um supermercado pode ser muito tentadora!

Hoje me perguntaram como eu consigo resistir às comidas “boas”, no caso, um pedaço de torta de aniversário.

Na verdade, na adolescência, já tive as minhas fases de comer doces e tomar refrigerante. A diferença hoje é que, antes de comer qualquer coisa, penso no bem ou no mal que pode fazer para o meu corpo.

O ato de se alimentar é resultado de uma vontade própria. Ou seja, você vai lá e escolhe o alimento que vai ingerir. Muitas vezes, no automático = hábito.

Mas, e se você começar a pensar no que aquele alimento pode trazer de benefícios ou malefícios antes de comprá-lo? E mesma na mesa, antes de comê-lo?

Acredite, esse é um hábito muito saudável que podemos adquirir. No supermercado, a dica é sempre: escolha, planeje e vá com calma (e sem fome). Informe-se do que está no rótulo. É bem comum lermos o rótulo e acabarmos desistindo de algum alimento por percebermos que tem muito sódio, gordura trans e açúcar. É o poder da informação.

Na hora de servir o seu prato PENSE, PENSE e PENSE. E respire: mais oxigênio fará você fugir da ansiedade. Faça as suas escolhas com carinho.

Cada alimento será colocado para dentro dessa engrenagem maravilhosa que é o nosso organismo. Faça bom uso da chance que você tem para se tratar com amor o seu corpo.

Conscientize-se, informe-se e faça ótimas escolhas.

As melhores energias!

 

24.07.2013

Hoje tem estreia!!

Postado em Carla Lubisco

Pessoal, chegou o momento de estrear o meu blog. A partir de agora, teremos este espaço para debater temas como qualidade de vida, gestão e pequenas mudanças de hábitos que podemos fazer no nosso dia e que nos levarão a ter mais saúde e longevidade.

São cerca de 35 anos atuando nesse mercado de fitness e wellness. Mas a verdade é que a cada dia aprendo mais sobre os caminhos para vivermos mais e melhor. E o mais bacana é poder compartilhar essas experiências com outras pessoas, entender como cada um pensa, como faz as suas escolhas diárias e como podemos juntos dar esse passo rumo a uma vida mais saudável e feliz. Vem comigo!!!

 

24.07.2013

Postado em Na Mídia

 

Trabalho que a Carla Lubisco está realizando com a socialite e jornalista

Narcisa Tamborindeguy é destaque hoje na coluna da Milena Fischer da Zero Hora.

ZH - Milena Fischer

23.07.2013

Mantenha o ritmo de exercícios, mas protegido do frio

1415390_71829832No Sul do Brasil, o termômetro aponta para temperaturas mínimas. Por isso, vão aí algumas dicas importantes, especialmente para a prática de exercícios ao ar livre:

O frio dificulta a respiração porque o ar precisa ser condicionado e, como entra gelado, exige mais esforço do nosso sistema respiratório.

Se você for se exercitar no frio intenso, a dica é proteger a boca e o nariz com um cachecol, de modo a aquecer o ar antes que entre no organismo.

Isso ajuda a prevenir a irritação das mucosas e a mantê-las atuantes na primeira linha de defesa contra as infecções. Sem isso, o organismo reage mais bruscamente ao frio, provocando uma contração dos vasos sanguíneos. E aí sentimos aqueles  arrepios, o bater de dentes e pequenas contrações musculares.

Agasalhe-se, coloque manta, luvas e gorros, hidrate-se, aqueça antes do exercócio e go ahead!

19.07.2013

Revista Corpo a Corpo: desafiando a genética

Postado em Na Mídia
18.07.2013

Desafiando a genética

A  especialista em exercício físico e consultora em bem-viver  Carla Lubisco falou para a revista Corpo e Corpo sobre como podemos desafiar a genética em busca de melhores resultados para o nosso corpo. Confira um material inédito sobre esse tema preparado pela profissional aqui: 

Até que ponto a genética determina o nosso sucesso ou o fracasso na musculação?

A genética é um fator importante para todo tipo de treinamento. Todos nós nascemos com um biótipo, que é o tipo biológico de cada pessoa. É a natureza e temos que respeitar. Mas, podemos sublinhar isso, melhorar, atenuar e  adquirir um melhor equilíbrio das formas.

O mais importante é que a pessoa saiba exatamente o que ela quer, procure um especialista e estabeleça metas possíveis de serem atingidas de acordo com o seu tipo físico.

O treino individualizado, focado na realidade do aluno é fundamental para isso, bem como  a alimentação.

É possível vencer a genética fazendo alguns ajustes no treino?

Com certeza podemos desafiar a genética através de um treino individualizado, alimentação adequada para cada objetivo e muita disciplina.

Existem 3 tipos básicos de formas e cada pessoa pode ser predominância de uma ou outra. E, para cada um desses tipos, existe um perfil de exercícios físicos que deve ser indicado caso a pessoa esteja em busca de uma maior harmonia das suas formas.

Ectomorfo: É a pessoa que tem uma estrutura óssea maior, os músculos pouco definidos e baixo estoque de gordura no corpo. Se estiver em busca de um melhor equilíbrio do seu corpo, a pessoa pode seguir um treino com predominância de musculatura, força e resistência. Isso vai ajudá-la a definir melhor os músculos. Fazer o aeróbio também, porque é importante para trabalhar o sistema cardiorrespiratório, mas priorizando a musculação.

Endoformo: Predominância de gordura e maior dificuldade para queimá-la. São as pessoas geralmente mais arredondadas e com pouca massa muscular. Se o objetivo é emagrecer e delinear melhor o corpo, o programa deve privilegiar o treino aeróbio, com atividades como o natação, caminhada e bicicleta. E a alimentação deve estar alinhada com esse objetivo. Já a musculação também deve ser feita, pois a musculatura está diretamente ligada com a aceleração do metabolismo, e também ajuda a queimar calorias.

Mesomorfo: Indivíduo que tem mais facilidade em ganhar massa muscular. Nesse caso, como essa já é uma predominância no seu corpo, ele pode optar pelos exercícios funcionais, que simulem os movimentos básicos realizados no dia a dia pelas pessoas, como avançar, agachar, abaixar, girar, puxar, empurrar e levantar. Outra alternativa é realizar exercícios em isometria, usando apenas o peso do corpo.

Quais são os prejuízos de fazer um treino generalista e não focado para as necessidades daquela pessoa?

Um indivíduo com poucos músculos, mas interessado em ganhar massa muscular, não pode ingerir menos proteína do que a nutricionista preescreveu, senão não vai conseguir atingir o seu objetivo. E o seu treino deve privilegiar treinamento de força, e não corrida, por exemplo. Isso, claro, se a pessoa tem um objetivo claro de ficar com músculos melhor definidos.

Então, em um treino generalista, o biotipo da pessoa acaba não sendo levado em conta. Consequentemente, os resultados não aparecem e a pessoa se frustra. O sucesso ou o insucesso depende de uma prescrição adequada de exercícios físicos e da alimentação. É preciso trabalhar com a realidade do biotipo, mas, ao mesmo tempo, sabendo que é possível melhorar.

O ideal é que um programa de treinamento seja o mais completo possível, trabalhando todas as valências físicas e mesclando exercícios aeróbios, de força, respiração, alongamento etc. Mas, dependendo do biotipo, da faixa etária e do objetivo do aluno, é importante que haja uma predominância de determinada atividade.

Corpo a Corpo - Facebook

 

 

17.07.2013

QLM, no Jornal O Sul

Postado em Na Mídia

“O trabalho de uma coach em bem viver é um processo cujo foco é ajudar os indivíduos a saírem de um estado da vida para outro melhor, a partir da adoção de uma série de comportamentos saudáveis. Ao final desse processo, a pessoa consegue ser a própria gestora da sua qualidade de vida”, destaca a profissional”. Carla Lubisco falou para o Jornal O SUl, do Rio Grande do Sul, sobre o projeto Quality of Life Management (QLM).Matéria O SUl

08.07.2013

Academia ao ar livre

Nossa aluna Andréa Lobato aproveitando a estrutura de um parque para fazer um agachamento na fita de suspensão. Esse exercício trabalha as coxas e glúteos e utiliza o core/base do corpo como sustentação. Ou seja, trabalha o corpo de forma integrada.

Andréa Lobatov2

Andréa Lobato

Andréa Lobato e Franklin Roubuste
08.07.2013

Planejamento, ação e disciplina

Criado por Targeteria